Início > Uncategorized > UOL melhor conteúdo?

UOL melhor conteúdo?

Perfeita a coluna do jornalista Walter Falceta Jr no Observatório da Imprensa a respeito da tradução feita pelo uol de matéria do Daily Mail no qual ele apresenta o Corinthians  ao público europeu.O jornalista colocou o dedo na ferida sobre a postura mentirosa e irresponsável do portal UOL e apresentou um grave e vergonhoso erro que havia passado despercebido do grande público,a distorção do texto feito pelo Daily Mail.

Faço a mesma pergunta que Walter Faceta em sua coluna:Por que o jornaleiro que escreveu a matéria do uol fez isso?É burro ou mal intencionado?É inaceitável que um portal que está entre os mais acessados na américa latina cometa um erro grosseiro como este,a reportagem do Daily Mirror é clara e imparcial,apresenta a história do Corinthians,seus títulos,rivais,importância histórica e também seus piores momentos sem julgar grandeza e em momento algum utilizou qualquer teor de deboche ao clube.

Entre burro ou mal intencionado fico com a segunda opção,não podemos dizer que se trata de um erro de tradução,o texto do uol utiliza termos como “regional” e “clube esquerdista” de forma jocosa,nem o pior dos tradutores conseguiria encontrar esse sentido no texto do jornal inglês.O que o uol fez foi utilizar o deboche,a “trollagem” e o pior mentir e distorcer o contexto da matéria.Como dito por Falceta o termo regional utilizado na matéria do Daily enaltece a disputa do campeonato paulista e as dificuldades de se vencer o campeonato,“historically left-wing” destaca a força corintiana entre as camadas populares e sua força de penetração na sociedade,nada tem a ver com regime de governo populista ou teorias de esquerda como o jornaleiro do uol tentou colocar guela abaixo do leitor.

Hoje o uol é de longe o pior portal brasileiro a tratar de esportes,já não basta seus colunistas caluniadores,equivocados e fantasiosos como Birner, Kfouri e Perrone ainda temos que aturar matérias mal feitas,tendenciosas e clubisticas,sem compromisso com a verdade,apenas preocupados com o acesso quantitativo e não qualitativo.

Se o uol fosse um portal sério,o jornaleiro que distorceu a matéria provavelmente estaria no olho da rua,nem o Noticias Populares aceitaria uma vergonha dessas,mas hoje a tendência é essa em nossa imprensa esportiva,jornalismo mentira,deboche,a polêmica sem necessidade e ataques gratuítos a nossos clubes e atletas.

Esse fenômeno começou no fim dos anos 90 e hoje infelizmente está consolidado em todas as mídias,sinceramente não sei onde isso vai parar acho que para isso acabar existem dois caminhos:o boicote do público,o que acho dificil,por que se esse tipo de jornalismo existe é por que tem audiência ou ações judiciais por parte de clubes e atletas em cima de irresponsáveis que se dizem jornalistas.

Mudanças são necessárias e urgentes em nossa imprensa, fora os mentirosos,mal-intencionados e falsos humoristas não precisamos disso,queremos apenas a verdade é possível fazer jornalismo sério e ter audiência e quanto aos corintianos que comecem pelo boicote ao uol e a diretoria que tome as medidas cabíveis para evitar que a instituição volte a ser caluniada.

Parabens ao observatório da imprensa,que siga sempre essa linha e quanto ao uol,melhor conteúdo?KKKKKKKKKKKKK nem nos nossos melhores sonhos…

Anúncios
Categorias:Uncategorized
  1. múcio rodolfo
    22/07/2011 às 10:50 pm

    Quando eu vejo a propaganda do UOL na televisão eu penso exatamente isto: melhor conteúdo em que e para quem? Para falar a verdade eu nunca tinha me ligado na linha adotada pela equipe de esportes do portal até que um belo dia me deparei com um matéria do mesmo sobre a aposentadoria do Castrilli, matéria cuja manchete chamava o árbitro argentino de herói corinthiano. Sobre a tradução do Daily feita pelo UOL, a gente poderia citar uma antiga propaganda da Folha de São Paulo que dizia ser possível falar um monte de mentiras só falando a verdade.

  2. José
    23/07/2011 às 1:29 am

    O anticorinthianismo é uma praga secular que assola a imprensa.

    Fundado em 1910 por trabalhadores humildes, o Corinthians foi o primeiro clube de origem popular a participar do campeonato paulista (em 1913), em uma época em que o futebol era um esporte de elite.

    O anticorinthianismo era primordialmente um posicionamento de discriminação social. Há referências ao Corinthians em jornais da década de 1910 tratando-o como “time dos carroceiros”. E, de fato, o Corinthians era o time que atraía a simpatia das pessoas das camadas sociais menos favorecidas, identificadas que se sentiam com “O Time do Povo” (epíteto e destino proferidos pelo primeiro presidente do clube, o alfaiate Miguel Battaglia).

    Ao caráter discriminatório da anticorinthianismo se acrescentou o ressentimento e a inveja pelos triunfos corinthianos (o primeiro título paulista veio já em 1914; o segundo, em 1916; na década de 1920 vieram dois tricampeonatos e a condição de mais importante clube da cidade).

    O Corinthians nunca parou de crescer, sempre amparado por uma torcida cada vez maior e mais apaixonada (a “Fiel”). Nos anos 1950, o Corinthians se tornou o clube mais vitorioso do país (maior campeão paulista, maior campeão do torneio Rio-São Paulo, campeão de torneios internacionais como a Pequena Taça do Mundo e o Charles Miller, a conquista em definitivo da Taça dos Invictos).

    Par e passo cresceu o anticorinthianismo. Coincidência, ou não, veio o jejum de mais de 20 anos sem títulos. O qual, ao invés de diminuir o Corinthians, serviu para mostrar a unicidade do clube. O tamanho de sua torcida, e ainda mais a paixão dela, cresceram. O fim do martírio, com a conquista do título paulista de 1977, proporcionou a maior e mais intensa comemoração de uma torcida de clube em toda a história do futebol brasileiro. O que é motivo de incômodo e despeito até os dias de hoje.

    E assim vem sendo a história corinthiana desde então. Períodos de sofrimento interrompidos por glórias que resplandecem (e provocam inveja) de modo inigualável.

    A tsunami anticorinthiana atual teve origem no terremoto que representou a conquista pelo Corinthians do 1° Mundial de Clubes, em 2000 (prenunciado pelo brilhante bicampeonato brasileiro de 1998/99). Era muita coisa para o “time de maloqueiros”, o “clube da Marginal s/n°”, de “dirigentes atrasados”… A onda anticorinthiana se agigantou com a parceria Corinthians/MSI (que colocou o Corinthians no Primeiro Mundo do futebol transformado em negócio transnacional), arrastando o Corinthians para o buraco da Série B, em 2007.

    O Corinthians se reergueu, conquistou novas taças, conseguiu contratos recordes de patrocínio de camisa e de direitos de transmissão televisiva, constrói um novo estádio que será palco de abertura da Copa-2014, e chama a atenção em escala global para a sua pujança econômica.

    E o anticorinthianismo se acentua. Mais ainda assim não alcança a dimensão da força da Fiel – razão da existência e da grandeza do Corinthians. A inigualável grandeza de um clube surgido há mais de um século para ser, simplesmente, “O Time do Povo”.

    • 23/07/2011 às 1:13 pm

      José,se prepare por que o anti-corintianismo irá se acentuar nos próximos anos devido ao crescimento patrimonial do clube,cabe aos torcedores e diretoria frear orgãos que atacam gratuitamente a instituição.

      Obrigado por postar e volte sempre

  3. ze do povo
    23/07/2011 às 12:45 pm

    Olá, gosto muito de ler seus comentários, porem prefiro não opinar sobre os assuntos por pura preguiça mesmo, um grande abraço e continue assim: Sempre Atuante.

  4. Martelli
    23/07/2011 às 3:50 pm

    Eu não consigo entender porque a diretoria do Corinthians não se manifesta ou toma providências para pelo menos diminuir a onda de anti corinthianismo existente na imprensa esportiva. Diariamente encontramos notícias que procuram denegrir o clube, muitas vezes plantadas ou desvirtuadas e que na verdade deveriam ser combatidas mas que passam batidas e são aceitas pelos anti como verdades absolutas. No caso da UOL é claro o interesse de seus blogueiros em massacrar o Corinthians em todos os sentidos. Juca Kfouri, Birner, Perrone, F. Sampaio são os principais. Continuam escrevendo o que bem entendem e a UOL (leia-se Grupo Folha) parece que os incentiva a isso. Não adianta nós simples torcedores nos revoltarmos sem que o clube que está sendo atingido não se manifeste. Esses jornaleiros continuarão a escrever o que quiserem. Isso revolta mas o que fazer? É a pergunta que deixo.

  5. Fábio
    25/07/2011 às 1:15 pm

    Martelli é conveniente para eles, falem mal, mas falem de mim,
    isso mantem o corinthians na mídia, e a mídia no corinthians.
    O andres, fica de bate papo com todos eles,
    os corinthianos podem achar ruim, mas isso nao vai acabar tão cedo. Quer dizer pelo menos nessa diretoria.

  6. Maria Angélica de Oliveira Nascimento
    26/07/2011 às 10:07 pm

    Por favor, não ofenda os idiotas, comparando-os com o Milton Neves. Enquanto os idiotas são portadores de uma deficiência mental, O Milton é um mau caráter que envergonha a classe de comentaristas esportivos. É parcial, anti ético e grosseiro. É a vergonha da TV e da internet no Brasil.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: